Breaking News

Chefe de distribuição e produção saudita se junta à indústria cinematográfica do país – The Hollywood Reporter Absoluciojona Noticias

Apenas algumas semanas antes do Festival de Cinema do Mar Vermelho da Arábia Saudita, em Jeddah, foi revelado que um novo distribuidor regional e uma nova operação de vendas estavam sendo lançados.

A TwentyOne Entertainment, sediada em Riad, liderada pelo ex-executivo britânico da Universal e da Disney, Paul Chesney, viria ao festival com sua primeira aquisição, a entrada na competição do Mar Vermelho, Norah, o filme de estreia do diretor e roteirista saudita Tawfik Alzaidi. O filme, ambientado na Arábia Saudita dos anos 1990, também marca o primeiro longa a ser rodado inteiramente na região de AlUla do país.

Logo após esse anúncio, Chesney revelou sua nova operação de produção saudita, a Red Palm Pictures, que funcionaria sob o mesmo guarda-chuva da TwentyOne. Redobrando seu compromisso com Alzaidi, a Red Palm lançou um contrato multi-filmes com o cineasta e um novo projeto em Thurayaum drama de ação e aventura que ele escreverá e dirigirá.

As novas entidades juntam-se a uma indústria cinematográfica na Arábia Saudita que praticamente emergiu do nada no espaço de apenas alguns anos e que tem sido impulsionada pelas bilheteiras que mais crescem no planeta. Além disso, os títulos locais estão finalmente conseguindo entrar no mercado.

Falando com O repórter de HollywoodChesney discutiu a TwentyOne Entertainment e a Red Palm Pictures, como ele espera ser um ímã para talentos regionais e competir – ou não – com algumas das operadoras já estabelecidas.

Qual foi o processo de pensamento por trás do lançamento do TwentyOne?

Quando se trata de distribuição na região, há um punhado de pessoas que fazem isso muito bem. Pelo que entendi e pela curva de aprendizado que estou passando, muito do conteúdo baseado na Arábia Saudita tem qualidade de YouTube, qualidade de TV. Mas há muito talento aqui. Estou aprendendo com Tawfik AlZaidi sempre que o encontro. Mas Nora é um filme tão bom. E é algo que queríamos representar na TwentyOne Entertainment. Então fez sentido lançar o lado da distribuição com Nora como nosso primeiro título e realmente produzir algo que realmente dirá algo na tela aqui que é realmente único e diferente e nunca foi visto antes. Além disso, nos últimos cinco anos, tem havido realmente uma dieta de sustentação, mas conteúdo da Turquia, Egito e Índia, mas nada que tenha sido realmente cinematográfico em escala saudita. Então, através do negócio de distribuição, queremos mudar um pouco essa narrativa à medida que o público se torna mais experiente. Queremos fazer parte disso.

Durante o último ano, tivemos ataques sauditas aqui, principalmente Satar. Portanto, estamos a assistir a um apetite crescente entre o público saudita por filmes locais destinados a eles, em vez de grandes títulos importados de Hollywood. Isso é algo que você espera explorar?

Sim, definitivamente. Satar foi único e se saiu incrivelmente bem. Estamos nos posicionando um pouco distantes desse tipo de conteúdo. Queremos fazer conteúdo para um público, mas também queremos fazer conteúdo que mostre a história deste país. Há tantas histórias que simplesmente não foram contadas. Do lado da produção, é definitivamente para onde iremos, e na distribuição queremos representar esse tipo de filme.

Você é um distribuidor no Oriente Médio e Norte da África, mas a Arábia Saudita é o foco principal?

É, por causa da crescente indústria cinematográfica. Existem 600 telas aqui agora, mas serão 2.500 em questão de anos. Portanto, é um território de enorme crescimento. Mas não estamos ignorando o resto do MENA (Oriente Médio e Norte da África), e é por isso que somos chamados de TwentyOne Entertainment, por causa dos 21 territórios. Há talentos ricos em toda a região. Portanto, não se trata aqui de perseguir dólares. É estar envolvido em um lugar emocionante com enorme crescimento e fazer parte dessa mudança.

Os lançamentos teatrais são o objetivo principal dos seus títulos?

Não necessariamente. A distribuição pode ser teatral ou para plataformas de streaming. Na produção faremos conteúdo para streamers, faremos filmes para cinema e queremos fazer documentários também. Não teremos um foco estreito. Queremos ser o imã de talentos na região. Queremos roteiristas, diretores promissores, pessoas que tenham histórias… queremos que eles venham até nós. Queremos representá-los e dar-lhes voz. Esse será um dos principais objetivos da entidade produtiva.

Existem várias empresas de distribuição e produção bem estabelecidas na região MENA, como Mad Solutions e Front Row. Você sente que está no mesmo espaço ou há algo que te diferencia?

Acho que a nossa principal diferença é que, do lado da produção, não nos concentraremos apenas no filme. Mas essas são empresas com as quais estamos potencialmente procurando parceria. Ambos têm feito um ótimo trabalho e não vou sentar aqui e dizer que vamos competir com eles no curto prazo. Não faz sentido fazer isso. Nós nos vemos colaborando com os melhores do ramo e também fazendo as coisas nós mesmos.

Você teve muito envolvimento com a região anteriormente?

Eu estava na Universal Pictures com o grupo de entretenimento doméstico – tive um papel mundial baseado em Londres e depois em Los Angeles. E com parte dessa função, cuidei dos nossos mercados de licenciamento, cerca de 50 territórios durante algum tempo, e o Médio Oriente foi um deles. Mas mudou muito desde que eu viajava para cá naquela época. Mas não foi isso que me atraiu para esta parte do mundo – são todas as mudanças que estão acontecendo.

About Jia Anjani

Check Also

Bradley Cooper “não tem certeza” se estaria vivo se não fosse por sua filha Absoluciojona Noticias

Bradley Cooper está se abrindo sobre como se tornar pai o ajudou a firmar-se na …